Magistrado de Sorriso recebe 1º Selo de Desburocratização do CNJ

 

O Judiciário de Mato Grosso é novamente destaque nacional, desta vez com o 1º Selo de Desburocratização do Conselho Nacional de Justiça (CNJ). O prêmio foi concedido ao juiz Érico Duarte, do Juizado Especial de Sorriso, que apresentou o projeto de boas práticas “Flexibilização das pautas de audiência de transação penal”, que vem contribuindo com o aumento da quantidade de transações penais no município. A iniciativa concorreu com outras 50 apresentadas por magistrados e servidores do Poder Judiciário de todo o país, sendo uma das 14 aprovadas pelo CNJ.

Para o presidente da Associação Mato-grossense de Magistrados (AMAM), o juiz Tiago Abreu, a conquista de um selo de categoria nacional para um juiz de Mato Grosso é algo a ser celebrado e reconhecido. Segundo ele, o projeto conduzido pelo juiz Érico Duarte pode servir de exemplo para outras comarcas, acelerando os ritos processuais e realização de audiências, o que é benéfico a todos.

“Parabenizo a eficiência e qualidade do juiz Érico Duarte, bem como de toda a equipe do Juizado Especial de Sorriso, que com esta premiação, tem seu esforço e trabalho reconhecidos. É importante para a magistratura que iniciativas assim sejam sempre incentivadas, com o objetivo de fazer do Judiciário um braço forte e presente na sociedade”, destaca.

Criado no ano passado, o Selo de Desburocratização do CNJ tem a finalidade de reconhecer boas práticas que visem à simplificação e à modernização de práticas e melhores resultados na promoção da eficiência e da qualidade dos serviços prestados no âmbito do Poder Judiciário. A concessão do Selo, conforme o CNJ, serve de estímulo ao compartilhamento de informações e à replicação de boas práticas entre os órgãos do Poder Judiciário.

“É uma satisfação receber esse prêmio, que divido com os demais colegas e servidores, assessores e colaboradores do Judiciário, especialmente da unidade do Juizado Especial de Sorriso, porque estamos contribuindo e exteriorizando uma experiência positiva”, disse o juiz Érico Duarte.
Com informações do TJMT.