NOTA DE REPÚDIO ASSOCIAÇÃO MATO-GROSSENSE DE MAGISTRADOS

NOTA DE REPÚDIO ASSOCIAÇÃO MATO-GROSSENSE DE MAGISTRADOS

A Associação Mato-grossense de Magistrados (AMAM) repudia veementemente a forma como o site RDNews publicou matéria sobre os valores recebidos por 18 juízes mato-grossenses durante um ano, expondo-os de forma inadequada e oportunista, já que se trata de servidores públicos devidamente concursados e que realizam com afinco sua função constitucional.

Ao divulgar nomes completos, o site presta inclusive um desserviço à sociedade, pois coloca em risco um servidor público e sua família, além de violar o direito ao sigilo do que uma pessoa percebe por mês.

Diante disso, a AMAM rejeita toda informação manipulada para induzir os leitores ao erro, assim como ocorreu com a matéria veiculada pelo site, já que da forma como foi apresentada, a reportagem omite que o valor evidenciado se refere ao resultado da soma dos salários de 12 meses de trabalho, incluindo os devidos direitos de auxílio garantidos por lei, tais como passivos, férias entre outros benefícios.

Tendo em vista que todo cidadão possui acesso à informação disponível no portal do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT), a AMAM acredita que a reportagem do site RD News ao tratar de um assunto minucioso como a questão salarial deveria ao menos se atentar em prezar pela qualidade e respeito à verdade, não pautado pelo sensacionalismo hipócrita que destaca discursos reacionários e sem a justa medida do bom-senso.

A AMAM também repudia o fato de o site RD News não ter cumprido as premissas do bom jornalismo ao negar espaço equânime ao contraditório, fato evidenciado com a ausência de um posicionamento, na reportagem, da Associação que representa os magistrados do Estado.

A AMAM reafirma mais uma vez o compromisso dos magistrados mato-grossenses com a sociedade, em nome da Justiça. E se coloca em defesa do Estado Democrático de Direito, que garante aos cidadãos o acesso à informação correta e transparente, sem manipulações de má-fé ou baseadas em sofismas.

Diretoria da Associação Mato-grossense de Magistrados